forumarticles Section Audio La Fanzinotheque brochures journaux nouscontacter Acceuil
Página inicial do sítio > Other langages / Otros idiomas / Altri idiomi / Andere Sprachen… > Em português > Nós

Nós

Zo d’Axa (1896)

terça-feira 1 de Março de 2011

Todas as versões deste artigo : [English] [français] [Português]

Eles falam sobre Anarquia.

Os jornais estão despertos. Camaradas são entrevistados e "L’Éclair" entre outras coisas, diz que há uma divisão entre os anarquistas.

É com relação à questão do roubo que opiniões estão divididas.

Alguns, como é dito, querem constituí-lo como um princípio; outros irrevogavelmente o condenam.


Bem! Seria impossível para nós assumir uma posição em tal questão. Este roubo poderia nos parecer algo bom e poderia ser aprovado; ele também nós poderíamos considerar violento e repugnante.

Não existe Absoluto.

Se os fatos nos levam hoje a especificar este e aquele meio de ver ou ser, todo dia, nos vívidos artigos de nossos expressivos colaboradores, nossa determinação tem sido claramente afirmada:

Nem em uma parte (partido) ou um grupo.

Estamos fora disso.

Seguimos nosso próprio caminho — indivíduos, sem a Fé que salva e cega. Nosso desgosto com a sociedade não engendra em nós nenhuma convicção imutável. Lutamos pelo prazer da batalha, e sem qualquer sonho de um futuro melhor. O que nos importamos com amanhãs que não vieram por séculos! O que nos importa nossos netos e sobrinhos! Estamos fora de todas as leis, de todas as regras, de todas as teorias - mesmo anarquistas; a partir deste instante - de imediato - que queremos devotar nossa piedade, nossos ímpetos, nossa dedicação, nossas raivas, nossos instintos - com o orgulho de sermos nós mesmos.

Até agora nada se revelou a nós como radiante para além do horizonte. Nada foi nos dado em critério constante. O panorama da vida muda sem cessar, e os fatos aparecem para nós sob uma luz diferente dependendo da hora. Nós nunca vamos reagir contra as atrações de pontos de vistas contraditórios. É algo simples. O eco de sensações vibrantes ressoam aqui. E se a impetuosidade desoriente por sua imprevisibilidade, é porque nós falamos das coisas do nosso tempo como fariam os bárbaros primitivos com que tivesse subitamente caído entre eles.

Roubo!

Nunca nos ocorreu assumir a posição de juízes. Existem ladrões que nos deixam descontentes: certamente; e é aí que gostaríamos de atacar: provavelmente. Mas isto exerceria seu fascínio mais que pelo fato bruto.

Não vamos colocar em palco uma Verdade eterna - com um V capital.

É uma questão de impressão.

Um corcunda poderia me desagradar mais que um amável reincidente.

Zo D’Axa

O texto abaixo foi publicado na revista L’En-Dehors, no ano de 1896.